A importância de limitar o tempo de tela das crianças

Tempo de leitura: 4 minutos

Como pais de crianças pequenas, todos nós já devemos ter ouvido alguma vez na vida recomendações para limitar o tempo de tela (como os de celular, televisão, computador, tablet e videogame) por nossas crianças, mas infelizmente, para a maioria de nós, o cumprimento desses limites provou ser um grande desafio!

Muitas vezes estamos envolvidos em atividades que exigem de nós dedicação e não conseguimos dar a devida atenção que nossos filhos merecem e para resolver esse problema, ligamos a televisão e deixamos que assistam seus desenhos favoritos ou deixamos que joguem seus joguinhos no tablet ou celular por horas.

Muitos pais dependem desses dispositivos para acalmar os filhos quando estão entediados ou para que eles fiquem quietos. Essa escolha, embora possa ser muito eficaz no momento, acaba limitando a oportunidade da criança desenvolver habilidades apropriadas a idade.

Os perigos da exposição do tempo de tela em crianças

Criança (filho) na frente de uma televisão assistindo desenho

Segundo um estudo da OMS (Organização Mundial de Saúde), crianças de até 4 anos, devem passar no máximo, uma hora em frente a telas, seja assistindo televisão ou mexendo no celular. Para crianças com idade inferior a 1 ano, a organização recomenda que elas não fiquem expostas a qualquer tipo de tela.

Expor a criança a excessivas horas na frente de telas, acarreta sérios prejuízos ao seu desenvolvimento. Inúmeros estudos comprovam que o uso de celulares a noite prejudicam a qualidade do sono da criança e trás uma série de problemas comportamentais e de saúde, como a insônia, depressão e obesidade.

A luz da tela diminui a produção de melatonina a noite, hormônio responsável por avisar o nosso corpo que esta na hora de dormir ou que nos leva a indução do sono e sabemos que uma noite mal dormida pode ser um grande problema ao longo do dia, não é mesmo?

Outro ponto importante esta na construção de habilidades sociais e de autocontrole, por exemplo, se os pais adquirem o hábito de exibir um vídeo do YouTube sempre que seu filho esta chateado, a criança não estará aprendendo a usar o cérebro para se acalmar sozinha.

Da mesma forma, as crianças que recorrem as telas para ajudá-las a se sentar a mesa de jantar, a ficar no berço ou na sala de espera de um consultório, não estão tendo a oportunidade de praticar essas habilidades.

Os impactos no cérebro da criança

Menina vendo um celular antes de dormir

Não é apenas a construção de habilidades sociais e de autocontrole que sofre um impacto quando as crianças passam muito tempo na frente das telas. Em vez de relaxá-los, o tempo de exibição superestimula e distrai seus cérebros, o que pode criar um problema maior para os pais que dependem desses dispositivos para fazer com que seus filhos fiquem quietos.

Pense comigo, mesmo que o corpo da criança não esteja ativo ao assistir televisão, o cérebro está absorvendo estímulos intensos e velozes através dos olhos e ouvidos. Se ensinamos uma criança a usar a televisão ou tablet como um método para acalmar ou descansar, estamos ensinando a ela que a única maneira de acalmar o corpo é superestimular o cérebro.

Seus cérebros se acostumam a esse tipo de estímulo e, com o passar do tempo, as crianças podem se interessar cada vez menos por experiências que não são tão estimulantes, como por exemplo os passeios ao ar livre e brincadeiras com outras crianças.

O tempo da tela pode ter um efeito tão intenso no cérebro que, mesmo depois de desligar a televisão ou outros dispositivos, o cérebro continua trabalhando como se ainda estivesse assistindo. É por isso que o tempo da tela à noite pode afetar a qualidade do sono ou a capacidade de adormecer, mesmo depois de desligá-lo.

Conclusão

Os pais podem dar o exemplo em suas famílias, reduzindo o tempo na frente da televisão e do celular em favor de mais interações pessoais com seus filhos.

Para ajudá-los nessa tarefa de aproximação com o seu filho, aconselho a leitura do artigo sobre como utilizar o aprendizado lúdico na vida das crianças, assim você entenderá melhor sobre os benefícios da brincadeira na educação infantil.

Alterando esses hábitos e trabalhando com respostas comportamentais apropriadas a idade do seu filho, damos a ele uma maior chance de prosperar na escola e ao longo da vida.